quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

O HOMEM FOI CRIADO IMPERFEITO

Por Julio Zamparetti

João, em apocalipse revela o número de homem, este é 666. O número 6 é, na numerologia bíblica, o número da imperfeição. Foi no sexto dia que Deus criou o homem. Embora, após criá-lo, Deus tenha dito que era muito bom, devemos ver que o adjetivo bom, ainda que acompanhado do advérbio muito, não significa perfeito. Isso significa que por melhor que seja o ser humano, estará sempre longe de atingir a perfeição. Assim entendemos que a criação do homem, de fato, foi muito boa; o homem, no entanto, não foi criado perfeito e sim para ser perfeito.

Em I Coríntios capítulo 15, versos 22 e 45, São Paulo faz uma analogia entre Adão e Cristo, apontando o primeiro como a origem da morte e da imperfeição, e o segundo a origem da vida, da restauração e da perfeição. Adão fora criado no sexto dia, e por isso o número 6 se tornou o número relativo ao pecado.

Assim, quando o Apóstolo João descreveu o número de homem como 666, usou de um termo superlativo de 6, significando que a condição humana é: pecadora x pecadora x pecadora.

Usando o mesmo princípio de interpretação, entendemos que a condição de Santo, Santo, Santo, descrita em Isaias 6:3 e Apocalipse 4:8, é um termo superlativo de santidade. Portanto se alguém pretende argumentar que Deus criou o homem santo como Deus é santo, terá também que afirmar que o homem foi criado com caráter santíssimo, isto é, santo, santo, santo.

Outro ponto a se analisar é que se o homem tivesse sido criado perfeito, jamais teria pecado. O pecado de Adão não o tornou pecador, apenas tornou evidente sua condição imperfeita e pecaminosa. Por outro lado, Jesus era perfeito, por isso não pecou. Logo, devemos concluir que se Adão tivesse sido criado em perfeição, a exemplo de Cristo, seria em tudo tentado, contudo em nada pecaria.

(...)Deus viu que o que fizera era muito bom. Não que o homem fosse bom, nenhum foi bom, a Escritura assim o diz: Não há justo, nem um sequer” (Romanos 3:10). De fato não era o homem a quem Deus se referia como muito bom. Referia-se a sua obra: Viu Deus tudo quanto fizera, e eis que era muito bom. Houve tarde e manhã, o sexto dia” (Gênesis 1:31).

Não era o homem BOM, mas MUITO BOM era o fazer de Deus. Foi MUITO BOM o fato de Deus fazer o homem desprovido da perfeição, pois MUITO BOM é o potencial de crescimento e evolução. Foi MUITO BOM Deus criar o homem longe de ser BOM, porque MUITO BOM é aprender e buscar o caminho da perfeição. Privaria-nos, Deus, dessa MUITA BONDADE?

....................

Extraído do livro ESPIRITUALIDADE DINÂMICA, Julio Zamparetti Fernandes, 2009

5 comentários:

  1. Ótimo texto, também é ótimo o livro de referência.

    Gostaria de fazer uma divisão:
    - físico(cosmo) e não-físico ou carnal(matéria) e espititual(espirito).

    A partir dessa divisão podemos encontrar dois universos, essencialmente diferentes, mas, que de alguma forma interagem entre si.

    O HOMEM FOI CRIADO IMPERFEITO? Talvez sim, no sentido de estar em constante evolução, tanto ele quanto o meio em que vive(cosmo). Aqui me refiro ao homem bicho. Quem evolui ainda não é perfeito, a perfeição seria um estado ultimo, portando também o perfeito não evolui mais.

    "Se o homem tivesse sido criado perfeito, jamais teria pecado?" Talvez a resposta seja, sim teria.
    Levando em conta o Homem Espiritual:
    - não são os anjos criaturas espirituais?
    - não foram os anjos criados perfeitos?
    - não se rebelaram 1/3 deles e se tornaram definitivamente maus?

    O que me leva a crer que ambos os universos estão sujeitos a imperfeição no sentido de estarem evoluindo. Partindo desse raciocínio poderíamos dizer que ambos os universos também são perfeitos pois não existiria um fim ultimo, e evolução já seria em sí mesma o fim ultimo da perfeição.

    Uma saída para esse paradoxo seria supor existir uma escala (escala evolutiva), existindo o mais perfeito e o menos perfeito ou o mais imperfeito e o menos imperfeito.

    Mas que referencia teríamos para medição?
    Para mim, a consciência da unidade, o amor altruísta e o trâmite sem danos.

    ResponderExcluir
  2. Aislan, acho realmente muito difícil explorar essa temática de forma abrangente neste espaço. Precisaríamos abordar vários assuntos em que cada um deles daria um livro. Um exemplo disso é o livro que tenho escrito só sobre a queda dos anjos (que te adianto que nuca aconteceu). Mas para não iterrompermos o raciocínio quero dizer que as divisões que abordaste ficariam melhor partindo da semântica grega:

    1. Cosmos: Universo referente a astronomia
    2. Soma: Corpo Físico, referente ao "universo" animal.
    3. pneuma: Espírito, energia de vida; Em hebraico é Ruah, termo que também se reporta a Deus.
    4. psuche ou psique: Alma, refente a subjetividade e ações de todo ser vivo.

    De toda forma teu último parágrafo diz tudo que nos interessa por hora. E tais propriedade dizem respeito ao homem (em sua tricotomia: soma, psuche, ruah). Avalie as implecações disso.

    Precisamos nos encontrar para conversarmos melhor sobre isso.

    ResponderExcluir
  3. muito bom seu comentário reverendo,Deus continue abençoando sua vida,abraço fq cm Deus...

    ResponderExcluir
  4. paz manos queridos.

    muito a ser discutido. todavia de maneira simples, e concisa, diria que, a referencia é o centro da questão, se usar a Deus, e nesse caso o próprio Jesus como referencia, o homem é um ser imperfeito. mas, se por um outro lado usarmos criatura como aferidora de medidas, então, o homem é perfeito.

    gostei muito do blogue.

    ResponderExcluir
  5. Usar numerologia em Escatologia é um erro! Assim mesmo a Criação do homem foi perfeita!
    DEUS FEZ O HOMEM A SUA IMAGEM E SEMELHANÇA GN 1.26,27
    Você está ensinando heresias para a Igreja de Cristo!

    ResponderExcluir