quarta-feira, 31 de julho de 2013

INTOLERÂNCIA INTOLERÁVEL

Por Julio Zamparetti


Sim, é paradoxal, mas não tolero mais a intolerância! Cansei de tanto ódio em nome do amor! Não suporto mais tanto julgamento em nome daquele que disse que a ninguém veio julgar!

Em dias de liberdade religiosa, simplesmente, nos esquecemos de ser livres. Deixamos que nos escravizem, e porque deixamos, melhor seria dizer que nos auto-escravizamos nos preconceitos, superstições e dogmas.  

Esquecemos de que a revelação divina se dá numa pessoa, não num livro; que o próprio Cristo afirmou que seria encontrado nos pequeninos sofredores, não nas paredes frias; nos humildes, não nos poderosos; no espírito, não nas letras; na acolhida, não na lei; nos braços abertos, não no dedo apontado.

“O verbo virou gente”. Virou gente por tratar-se de um, apenas um, verbo singular: ‘AMAR’. Só o amor vira gente. Gente como a gente, diversamente, é. Só o amor humaniza as palavras e diviniza o ser humano. E faz tudo isso sem oprimir, sem reprimir, sem condenar, sem cobrar coisa alguma, sem mentir, sem julgar, sem ofender, sem ameaçar infernos, sem prometer céus.

Talvez seja por isso que temos errado tanto... Talvez seja por isso que nossas religiões não tenham nos religado, pelo contrário, só nos separam... Talvez tenhamos conjugado o verbo errado. 

Diz a liturgia: “O amor de Cristo nos uniu”.

Quem sabe um dia!

Por que não agora?

2 comentários:

  1. Paso visitando su blog. Bendiciones.
    Mi blog www.creeenjesusyserassalvo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
    reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
    Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
    decerto que virei aqui mais vezes.
    Sou António Batalha.
    Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
    PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
    siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.

    ResponderExcluir