terça-feira, 11 de dezembro de 2012

O PECADO ORIGINAL CONTRAÍDO POR JESUS



Por Julio Zamparetti


No dia 08 de Dezembro a igreja Romana comemora o dia da Imaculada Conceição, dogma que defende que Deus preservou a Santa Virgem do pecado original para que esta pudesse conceber Jesus. Sem querer faltar com o respeito, encontro aí minha maior dificuldade com o catolicismo romano: se Nossa Senhora foi livre do pecado original e, portanto, não transmitiu o pecado original para Jesus, logo Jesus não carregou sobre si o nosso pecado, então não salvou o mundo, e sua encarnação já não faz sentido. Neste ponto, como bom herege (podem ascender a fogueira. rsrs), também discordo dos demais cristãos que mesmo sem defender a imaculidade de Maria, dizem que Jesus não herdou o pecado original.

Penso que se qualquer um de nós não tivesse recebido a semente do pecado original, não teria qualquer dificuldade para vencer as tentações, nem precisaria do sacrifício vicário do Filho de Deus. Aliás, não haveria tentações, pois, segundo as Escrituras, somos tentados unicamente pela concupiscência, ou tendência de nossa própria carne. O fato de Jesus ser totalmente homem, implica em ter nascido sujeito a todas as condições dessa carne humana. Se Jesus não recebeu a semente do pecado original, não foi tentado como eu e você, e sua vitória já não é nossa, venceu tão somente por si, pois nossa luta é diferente. A vitória de Jesus sobre o pecado do homem tem em si a intrínseca necessidade de que Ele tenha vivido sob a exata condição humana, caso contrário, não foi o pecado do mundo que Ele venceu..

Segundo o Catecismo da Igreja Católica (Edição Típica Vaticana), parágrafo 404, "o pecado original é um pecado contraído e não cometido, um estado e não um ato... transmitido por propagação à humanidade inteira". Portanto, uma condição inerente a qualquer um que seja totalmente humano, ainda que não cometa pecado. Acho que isso fica evidente no episódio do Getsemani, onde Jesus disse ao Pai: "não seja feita a minha vontade, mas sim a Tua". Cabe então perguntar: por que Jesus teve uma vontade que se opunha a vontade do Pai? A vontade de Jesus de que esse cálice lhe fosse poupado revela sua humanidade assumida em estado decaído, isto é, sob efeito do pecado original. Sua submissão e obediência à vontade do Pai revela sua vitória sobre todo pecado, inclusive o original, sobre o qual não venceria se não o enfrentasse em sua própria carne. O autor de Hebreus também revela isso: "Ele em tudo foi tentado á nossa semelhança..." (efeito da condição contraída), "...mas em nada pecou". Ora, se Jesus não contraiu o pecado original, sua tentação foi uma farsa.

De acordo com São Paulo, "Deus enviou o seu Filho, nascido de uma mulher, nascido sujeito à Lei" (Gl.4:4). Ora, se ele se sujeitou à Lei, também se sujeitou ao pecado, pois conforme o mesmo apóstolo, a Lei desperta a concupscência (vd. Rm.7:5).

Jesus não veio a esse mundo para apenas ajudar o pecador. É importante lembrar que a mensagem do cristianismo não é a revelação de um Deus que ajuda os homens, mas sim um Deus que se faz homem, o bendito que se faz maldito, o santo que se faz pecador - mesmo sem pecar.

É exatamente porque Jesus se sujeitou a exata condição humana que temos um Deus que se compadece de nós, compreende nossas falhas e é rico em perdoar. 

2 comentários:

  1. Reverendo, olha esse texto, sobre o mesmo assunto:http://voltemosaoevangelho.com/blog/2012/12/era-possivel-jesus-pecar/#disqus_thread

    ResponderExcluir
  2. Encontrei o seu blog, estive a folhear achei-o muito bom, feito com muito bom gosto.Tenho um blog que gostava que conhecesse. O Peregrino E Servo.
    Se desejar visite Peregrino e Servo.
    Que haja paz e saúde no seu lar.
    Sou António Batalha.

    ResponderExcluir